11 de out de 2011

...




Eu perdi um pedaço de mim,
Perdi a essência da minha alma,
Perdi o rumo, o prumo, perdi minha direção no mundo,
Quando me vi diante do fim.
Perdi meu amor próprio, perdi a vontade de viver,
Perdi minha alegria,
Perdi você...
Só não consigo perder esse amor que sinto
Tão forte e ardente...
Ninguém tira...nada acaba, ninguém destrói
o meu amor por você!
Mesmo com a dor, a magoa e tristeza,
Ele ainda existe
Persiste em viver,
E Insiste a cada dia
Que ainda quer você.

Cicilia Soares

Apenas...

Por estes dias aprendi....

- Que, às vezes, devo deixar de lado um pouco da seriedade que a vida me exige todos os dias e olhar pro céu, sentir o perfume das flores, ligar para um amigo, senti o abraço apertado de alguém que se importa comigo;

- Que muitas vezes, por mais que esteja com a razão, devo renunciá-la para que haja pacificação;

- Que devo ser educada o suficiente para derrubar em suas próprias argumentações aqueles que não são;

- Que em muitas situações o que preciso é somente ter alguém ao meu lado segurando a minha mão e sentindo o meu coração;

- Que na vida as melhores coisas se passam na caminhada para alcançar objetivos e não na conquista do mesmo;

- Que não posso controlar as tristezas, mas posso escolher minhas decisões diante dela;

- Que as pessoas não são perfeitas, que o amor nao tem nada de cego, pelo contrário, nos abre os olhos;

- Que somente com o passar de um bom tempo algumas feridas serão totalmente cicatrizadas e talvez deixaram marcas eternas em mim;

- Que devo aproveitar cada segundo da minha vida, talvez ele pode ser o último;

Os sentimentos que agora invadem...

Neste dia, aqui dentro de mim, confundem-se os sentimentos.
Parecem que simplesmente não ligam-se, não conseguem encontrarem-se no peito...
Pulsam por garganta a fora a procura da solução. E qual seria ela?
Aqui dentro surge uma dor.
Não é uma dor desesperadora, que faz perder os sentidos, ou que faz "chutar o balde", desistir...
Não é essa que sinto. Não essa aqui.

Ela não deixa com tais sintomas, mas leva a uma reflexão dura sobre a vida.
E sei que este seria um bom momento para isto. Talvez o melhor.
Há grandes razões aqui dentro para tomar atitudes loucas ou inesplicáveis. Mas há também uma busca pela resposta pra esse anseio do coração, para a necessidade de encontrar o balsámo que trará um novo sentido ao viver.
Esta dor que agora parece ter rasgado por dentro, não é uma tristeza ou uma forte alegria... Não. Não é. Simplesmente é mais uma das sensações inesplicáveis que surgem dentro da alma, mudando totalmente o jeito e maneira de ser e viver...
Pulsa, rasga, dói, mas muda o ser.
Ao mesmo tempo que assim faz, cura, restaura, vivifica.

Não deixa a vida parar. E nem pode fazer isso. Não pode se parar de viver pra consertar coisas pendentes no meio do caminho. Conserta-se andando e vivendo.
Aqui dentro começa a se formar e a se conceber algo novo onde outrora era registrado negativamente antigos atos e sentimentos.
Aqui tudo está prestes a virar de "cabeça pra baixo"
Aqui dentro tudo está mudando.

Decepção...


Em algum momento da vida, alguém pede para ser seu amigo, seu confidente ou seu amor...
Seu coração, então, rende-se ao encanto das palavras pronunciadas, das ações realizadas, das promessas feitas.
Acontece que este mesmo coração começa a gerar expectativas sobre tais fatos, sobre o que outro coração lhe faz sentir, lhe faz sonhar... Essas ansiedades acabam sendo frustadas quando percebe-se que esta pessoa não é tudo aquilo que se imagina que seja.
E o interessante é que quando se da conta, estar-se totalmente envolvido com esse tal sentimento: a decepção.
Vale relatar que sempre iremos nos decepcionar com as pessoas, porque na verdade elas não são tão perfeitas. Até porque ninguém é perfeito. Todos temos falhas e estas nos tiram a perfeição e nos fazem de algum modo decepcionar a alguém.
Diante disto, então, vivamos a vida com intensidade, caminhemos olhando para frente, passando por cima das pedras e vencendo os obstáculos que nos são lançados.
Saíamos da toca, do lugar que nos causou frustação.
Vivamos.
Ação e reação!
Esta é a melhor solução.

Era uma vez...


Era uma vez uma menina que não acreditava que era capaz de viver o amor, ela amava, mas não vivia. Um dia ela se deixou convencer de que poderia viver o amor. Por alguns meses a menina se deixou enganar e quando acordou, estava em um buraco.

A menina ficou triste, muito triste, até se cansar de ficar triste, e sair do buraco. E a menina começou a perceber que para os outros havia um prazer na queda, que as pessoas saiam de um buraco e logo caiam em outro. As pessoas gostavam daquilo...

Para os outros no final havia mais amor do que buraco, para ela no final só havia o buraco. E viveu para sempre como uma menina que não acreditava que era capaz de viver o amor, e que se sentia estranha por não gostar de cair em buracos.

10 de out de 2011

Sobre dor e coração


Eu nunca tinha sentido essa dor, eu sempre ouvi dizer, mas comigo nunca tinha acontecido, eu achei que já, mas agora sim eu a sinto, e bem como dizem, você sabe quando essa dor é a verdadeira.
Eu sinto essa dor toda vez que eu penso em você, eu sinto essa dor toda vez que vejo qualquer coisa que me lembre você e principalmente, eu sinto essa dor quando eu vejo as palavras que eu queria ouvir de você sendo ditas a outro alguém.
De tanto ouvir falar, achei que estaria preparada, mas não, isso me pegou de surpresa, e simplesmente tomou conta, é uma coisa tão intensa que não se encontra o foco, dizem que vem do coração, então quero arrancar meu coração, tento e não o encontro, você deve ter levado quando partiu. A dor deve ser porque ele não esta mais onde deveria estar, nada parece estar no lugar correto mais, meu coração esta com você, minha cabeça esta em você, meus dias são pra você, minha vida é sua, só sua, e eu não a quero de volta se você não estiver ao meu lado, pode ficar ai com a agora "nossa vida" com o meu coração, quem sabe um dia a dor me deixe, vá para outro lugar, já que eu mesma não estou, essa dor não percebe que esta sozinha, essa dor não sabe que é a solidão...